Neste ano, foram registradas mais de 500 colisões de aviões e aves
 
 
 

Aeroportos do Galeão e de Guarulhos notificaram maioria dos acidentes.
No Recife, lixão atrai urubus e garças em rota usada pelas aeronaves.

Urubus, garças e outras aves que vivem perto dos aeroportos colocam em risco a aviação no Brasil. Só neste ano, foram registradas mais de 500 colisões entre aviões e pássaros.

Um avião foi atingido por um urubu logo depois de decolar do aeroporto do Recife. O choque comprometeu o sistema de pressurização.

Os pilotos sabem que este tipo de ameaça com asas, bicos e penas pode surgir do seu, de repente. As aves podem parecer inofensivas, mas, numa colisão, o estrago é enorme.

Fotos registram o resultado: a fuselagem é danificada como se fosse frágil e um urubu chega a rasgar a asa de um avião. "Elas [aves] podem até derrubar a aeronave, causar um acidente aeronáutico", diz o coronel João Carlos Bienick.

O aeroporto do Galeão, no Rio, apresenta o maior número de colisões neste ano: 46. Guarulhos, em São Paulo, vem logo depois com 43. No Recife, foram dez.

O perigo é conhecido. Um lixão na capital pernambucana atrai centenas de urubus e garças. São centenas que ficam na rota mais usada pelos aviões que chegam ao terminal. A área de segurança aeroportuária prevê um raio de 20 quilômetros de distância de qualquer fator de atração de aves. E o lixão está a seis quilômetros.

Em Fernando de Noronha, o risco é provocado pelas garças. Em uma decisão inédita, 500 delas foram eliminadas com uma injeção letal, em dezembro de 2007. Mas a espécie invasora voltou a crescer e será necessária outra estratégia. Os ninhos devem ser retirados até o fim do ano e os ovos, quebrados.

 
Fonte: g1.globo.com
 
    Voltar para Notícias
 
INÍCIO | EMPRESA | ESPECIALIDADE | NOTÍCIAS | MÍDIA | CONTATO | PARCEIROS | TRABALHE CONOSCO | LINKS | PUBLICAÇÕES
Copyright © 2009 White Flight Brasil
BRASILIA/DF (061) 3205-2580 | (061) 8263-7128
Desenvolvimento